Morre em confronto com a polícia, João da Besta, um dos maiores assaltantes de bancos do RN

O motorista João Alves Nunes, o chamado “João da Besta” considerado um dos maiores ladrões de banco do RN morreu nessa quarta-feira (21) durante uma troca de tiros com Policiais Militares na cidade de Umarizal, no oeste potiguar.

Ao Agora RN, o major Inácio Brilhante disse que o confronto aconteceu por volta das 12h10, no sitio Murici, após João reagir a uma abordagem. ” Era um dos assaltantes de banco mais perigosos do Brasil”, afirmou o oficial.

João da Besta chegou a ser preso em São Paulo, em 2010. Ele havia fugido para a capital paulista, após seu grupo ser desmantelado pela polícia potiguar.

O criminoso também era apontado como autor da morte do capitão do exército Francisco de Assis da Fonseca Melo, de 58 anos, assassinado em julho de 2008, em Martins.

Com João, os policiais apreenderam um revólver, munições deflagradas e uma pequena porção de drogas.

Prisão em Minas Gerais

Outra prisão de João da Besta que se tem notícia aconteceu em abril de 2014, quando ele foi detido por Policiais Federais na cidade de Montes Claros (Norte de Minas Gerais). Com ele foram apreendidos 20 quilos de crack. O entorpecente estava escondido dentro do tanque de um carro Montana. Pelo crime João da Besta foi julgado no dia 29 de setembro de 2015, sendo condenado a cinco anos de detenção no presídio Regional de Montes Claros.

Ainda de acordo com Major Brilhante, João da Besta estava em Umarizal cumprindo o restante da pena em prisão domiciliar. ” Ele estava armado e com drogas. Certamente sabia que voltaria para a cadeia se fosse preso novamente.

O setor de inteligência descobriu que ele havia sido reunido a poucos dias com bandidos do Pernambuco e que estava formando um novo bando para estourar caixas eletrônicos”, revelou.

Mentor Intelectual de assassinato

Em 2017, Policiais Civis de Patu e Umarizal, em cumprimento a um mandado de prisão, prenderam Francisco Josivan da Silva Paiva, o “Vanzinho”, suspeito de ser o autor do homicídio do caraubense Adolfo Maia, morto em Janeiro de 2017 na cidade de Parnamirim, na grande Natal.

As investigações apontavam João da Besta como mentor intelectual do crime. um mandado de prisão também havia sido expedido contra João.

AGORA RN

Arma que estava com João

( Foto PM/RN)

Postado em 21 de outubro de 2020 - 15:53h