Ação com ao menos 7 foragidos, 11 mortos e 2 presos é sucesso para PM

A polícia acredita que a tentativa de assalto a dois bancos em Guararema (município a 81 km de São Paulo), na manhã desta quinta-feira (4), contou com a participação de 20 e 25 criminosos. A parcial da ação está em 11 suspeitos mortos e dois presos, o que significa que tem entre sete e 12 foragidos.

A polícia e o Governo de São Paulo consideraram a ação positiva. O comandante da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), tenente-coronel Mário Alves da Silva, disse que foi uma ação de inteligência e de sucesso.

Leia também: Família mantida refém em assalto a banco em Guararema é libertada

A Polícia Militar não deu informações de quantos agentes participaram da ação, mas segundo o coronel Álvaro Batista Camilo, secretário-executivo da PM, “foi o suficiente para fazer o enfrentamento”.

Segundo Silva, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público de São Paulo, já estava monitorando a quadrilha e sabia que teria uma ação criminosa na região, no entanto, não tinha informações de quando e como seria.

O comandante disse que foi deslocado para o município policiais militares da Rota e do COE (Comando de Operações Especiais) para ficar atentos para possíveis ataques. Os policiais foram até o local do crime logo após escutarem os estouros dos criminosos nas agências bancárias.

Veja mais: Doria elogia PMs em Guararema por ‘colocarem bandidos em cemitério’

“Os indivíduos que foram até lá foram preparados para guerra. Eles não tinham a intenção de se entregar, a intenção era o confronto e o enfrentamento se deu porque eles quiseram”, disse o comandante.

As informações parciais apontam que, além dos mortos e presos, a polícia apreendeu oito fuzis, quatro pistolas, duas armas calibre 12. Segundo a polícia, os suspeitos foram para ação em pelo cinco carros, sendo dois blindados.

Segundo Coronel Camilo, a ocorrência vai ser investigada pelo Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais), da Polícia Civil, com acompanhamento do MP-SP. “Tudo com transparência”, disse.

R7

Postado em 4 de abril de 2019 - 20:28h