Bombeiros registram 23 salvamentos no litoral potiguar em janeiro

O Corpo de Bombeiros registrou 23 salvamentos a banhistas que estavam se afogando nas praias do litoral potiguar, ao longo de janeiro. A maior parte dos casos aconteceu na região metropolitana da capital. Os dados foram divulgados pela própria corporação.

A praia de Búzios, em Nísia Floresta, região metropolitana de Natal, liderou as estatísticas, com 11 casos de salvamentos. Pelo menos outras duas praias do município, localizado ao sul da capital potiguar, também registraram casos: Barreta, com três salvamentos, e Camurupim, com um.

Também houve ocorrências nas praias das zonas Leste e Norte de Natal, bem como na praia do Amor, em Tibau do Sul. Veja abaixo.

  • Búzios, Nísia Floresta – 11
  • Meio/Artistas, Zona Leste de Natal – 3
  • Barreta, Nísia Floresta – 3
  • Redinha, Zona Norte de Natal – 2
  • Praia do Amor, Tibau do Sul – 2
  • Camurupim, Nísia Floresta – 1
  • Areia Preta, Zona Leste de Natal – 1

Além dos salvamentos, os guardas-vidas também realizaram 4.389 orientações e 1.760 advertências a banhistas, no período.

A campanha educativa Praia Segura, em pareceria com a Cruz Vermelha, abordou 3.133 motoristas, identificou 3.726 crianças com pulseirinhas e percorreu cerca de 40 estabelecimentos turísticos distribuindo panfletos com dicas de segurança. Mais de 18.700 pessoas foram orientadas durante a campanha educativa.

G1/RN

Postado em 7 de fevereiro de 2019 - 18:30h

‘Bunker’ escondia 3 toneladas de drogas e explosivos na Grande Natal; Veja o vídeo

As três toneladas de maconha descobertas dentro de uma granja na tarde desta quarta-feira (6) em Macaíba, na Grande Natal – a maior apreensão de drogas da história do Rio Grande do Norte – estavam escondidas em um ‘bunker’ (veja vídeo acima). Dentro da estrutura, construída sob a baia de animais, também foram encontradas várias bananas de dinamite e munições.

O resultado da operação, batizada de ‘Conexão’, foi divulgado na manhã desta quinta (7) em entrevista coletiva realizada na Central de Flagrantes da Polícia Civil.

De acordo com o delegado Cláudio Henrique, da Delegacia Especializada de Furtos e Roubos (Defur), a quadrilha presa vinha sendo monitorada e investigada por participação em arrombamentos e explosões de caixas eletrônicos. A descoberta da droga, porém, acabou sendo uma surpresa. “Nós não esperávamos encontrar essa quantidade de drogas”, admitiu.

Também foram apreendidos 50 quilos de crack, 1 quilo de cocaína e coletes à prova de balas.

A Defur segue com as investigações para que outros membros da quadrilha também sejam encontrados e presos.

Postado em 7 de fevereiro de 2019 - 18:20h

Polícia Civil prende em Alagoas terceiro suspeito da morte de empresária no RN

A Polícia Civil informou nesta quinta-feira (7) que prendeu em Alagoas mais um suspeito de participação no assassinato da empresária Maria da Conceição de Lima Barbosa, de 56 anos, qye aconteceu em novembro de 2018, no interior do Rio Grande do Norte. Ele é o terceiro preso pelo crime. Os outros dois suspeito foram detidos também em Alagoas e em Sergipe, no mês de janeiro e, desde então, outras três pessoas seguiam sendo procuradas.

Mais informações sobre prisão ainda não foram dadas. A polícia marcou uma entrevista coletiva para a tarde desta quinta-feira (7) para detalhar as investigações e como chegou ao suspeito.

Em janeiro os investigadores apontaram que, em nova linha de apuração, a morte da empresária passou a ser tratada como execução. Dona de um posto de combustíveis, Maria da Conceição foi assassinada com um tiro na cabeça na madrugada de 8 de novembro do ano passado.

O diretor da Divisão Especializada em Combate ao Crime Organizado (Deicor), delegado Erick Gomes, afirmou que a possibilidade de latrocínio, que é o roubo seguido de morte, foi descartada, porque a filha, que acompanhava a mulher, foi liberada pouco após elas terem sido abordadas e porque o carro e outros objetos pessoais foram deixados para trás na cidade paraibana de Mamanguape.

“Sem sombra de dúvidas, foi um crime encomendado”, afirmou o delegado, que disse, na ocasião, que a razão da execução ainda é investigada.

Os homens presos em Alagoas e Sergipe foram identificados graças a um carro alugado em Pernambuco. O automóvel usado pelos criminosos foi encontrado carbonizado entre as cidades de Santo Antônio e Espírito Santo, no interior do Rio Grande do Norte. Os policiais conseguiram identificar que ele pertencia a uma locadora de Recife e, em contato com a empresa, conseguiram identificar que o contrato de locação aconteceu 11 dias antes do crime.

Os investigadores levantaram dados do cliente que alugou o carro, um jovem de 22 anos, que agiu de forma indireta. Segundo a polícia, a única função dele era alugar o carro. Ele foi preso em Aracaju, capital de Sergipe. Depois, os policiais prenderam um suspeito de 33 anos, na cidade alagoana de Arapiraca. Ele estava com dois revólveres e munições de espingarda.

O crime

Maria da Conceição de Lima Barbosa, de 56 anos, era dona de um posto de combustíveis no município de Santo Antônio. O corpo dela foi encontrado com marca de tiro na cabeça, na zona rural de Pedro Velho, distante cerca de 90 quilômetros de Natal, na madrugada de 8 de outubro do ano passado.

A mulher e a filha dela foram vítimas de assaltantes ainda na tarde do dia 7 de outubro, quando estavam na estrada, saindo de Santo Antonio, a caminho de Natal. O carro em que elas estavam, um Ônix, foi trancado por outro veículo, modelo Gol, que tinha três criminosos. Dois deles assumiram o carro das mulheres e as levaram como reféns.

Em direção a Brejinho, os bandidos entraram em uma estrada de terra que dá acesso ao município de Espírito Santo, onde o Gol foi incendiado. O assaltante que estava no carro se juntou aos outros dois e o Ônix com as reféns seguiu viagem. Mais adiante, a filha foi libertada e a mãe continuou em poder dos criminosos.

Parentes também revelaram ao G1, na época, que os bandidos queriam o dinheiro do posto, exigindo que a empresária entregasse uma certa quantia. Maria da Conceição teria entregue um envelope com cerca de R$ 3 mil em dinheiro, dizendo que era tudo o que tinha com ela.

Já libertada, e com a ajuda de um morador da região, a filha conseguiu pedir socorro ao pai, que acionou a Polícia Militar, que fez buscas pelos criminosos. Na madrugada, veio a notícia de que um corpo havia sido encontrado em uma estrada de terra entre Espírito Santo e Pedro Velho, próximo ao distrito de Coité. O corpo da empresária foi achado com uma marca de tiro na cabeça.

O carro e bens dela foram achados já na Paraíba.

G1/RN

Postado em 7 de fevereiro de 2019 - 14:44h

Polícia Ambiental de Mossoró, fecha fábrica clandestina de armas artesanais em Baraúna e prende suspeito

Policiais da Companhia Independente de Policiamento Ambiental (CIPAM) com se em Mossoró. fecharam na tarde desta quarta feira, 06 de fevereiro de 2018, uma oficina que segundo a PM era usada para fabricar ilegalmente armas artesais.

De acordo com informações repassadas pelo Cb Hélio, a descoberta da fábrica só foi possivel, devido a denuncias chegadas a sede da companhia em Mossoró.

No local, os policiais apreenderam várias armas já confeccionadas e outras em processo de fabricação, entre elas, escopeta 12, e espingardas de soca (Bate-Bucha). Na oficina também foi encontrado um revolver e munições. Edson Almeida de Oliveira Tintino, de 34 anos, suposto dono da oficina, foi preso e conduzido à Delegacia de Plantão em Mossoró, onde foi autuado em flagrante pelo delegado Rafael do Monte Alves.

Por se tratar de crime inafiançável, o infrator foi levado ao ITEP para exame de corpo de delito e depois encaminhado à Cadeia Pública onde vai aguarda decisão da justiça.

FIM DA LINHA

Postado em 7 de fevereiro de 2019 - 14:35h

Família procura delegacia para registrar desaparecimento

Francisco Canindé de Araújo Silva, 30 anos residente em Currais novos despareceu ontem a noite após sair de sua residência, a família informou a polícia que o mesmo tem transtornos mentais e pede que quem souber do paradeiro do homem informar a polícia.

Repórter Seridó

Postado em 7 de fevereiro de 2019 - 14:30h

Governo renova situação de emergência pela seca em 147 municípios do RN

O Governo do Rio Grande do Norte vai decretar, por mais 180 dias, a situação de emergência pela seca em 147 municípios, o que representa 88% dos municípios potiguares. A renovação do decreto que vigora até dia 11 de março foi definida na tarde desta quarta-feira, 6, em reunião do Comitê Estadual para Ações Emergenciais de Combate aos Efeitos da Seca, entidade coordenada pelo Gabinete Civil.

Segundo o coordenador estadual da Defesa Civil, tenente coronel Marcos Carvalho, o decreto leva em consideração análises técnicas dos diversos órgãos que integram o Comitê e que monitoram a segurança hídrica do estado. A situação de emergência pela seca facilita o trâmite dos processos que envolvem obras e serviços que minimizem os impactos causados pela escassez de chuvas.

Dados da Caern apresentados na reunião mostram que 151 municípios são abastecidos pela companhia, dos quais 92 estão em rodízio e cinco em situação de colapso. De acordo com o secretário-chefe do Gabinete Civil, a situação mais preocupante é dos municípios do Alto Oeste onde os reservatórios ainda estão com baixo volume hídrico.

Municípios em situação de emergência:

Acari, Açu, Afonso Bezerra, Água Nova, Alexandria, Almino Afonso, Alto do Rodrigues, Angicos, Antônio Martins, Apodi, Areia Branca, Baraúna, Barcelona, Bento Fernandes, Boa Saúde, Bodó, Bom Jesus, Brejinho, Caiçara do Norte, Caiçara do Rio do Vento, Caicó, Campo Grande, Campo Redondo, Caraúbas, Carnaúba dos Dantas, Carnaubais, Cerro Corá, Coronel Ezequiel, Coronel João Pessoa, Cruzeta, Currais Novos, Doutor Severiano, Encanto, Equador, Espírito Santo, Felipe Guerra, Fernando Pedroza, Florânia, Francisco Dantas, Frutuoso Gomes, Galinhos, Governador Dix-Sept Rosado, Grossos, Guamaré, Ielmo Marinho, Ipanguaçu, Ipueira, Itajá, Itaú, Jaçana, Jandaíra, Janduís, Japi, Jardim de Angicos, Jardim de Piranhas, Jardim do Seridó, João Câmara, João Dias, José da Penha, Jucurutu, Jundiá, Lagoa D´Anta, Lagoa de Pedras, Lagoa de Velhos, Lagoa Nova, Lagoa Salgada, Lajes, Lajes Pintadas, Lucrécia, Luís Gomes, Macaíba, Macau, Major Sales, Marcelino Vieira, Martins, Messias Targino, Montanhas, Monte Alegre, Monte das Gameleiras, Mossoró, Nova Cruz, Olho D´Água dos Borges, Ouro Branco, Paraná, Paraú, Parazinho, Parelhas, Passa e Fica, Passagem, Patu, Pau dos Ferros, Pedra Grande, Pedra Preta, Pedro Avelino, Pendências, Pilões, Poço Branco, Portalegre, Porto do Mangue, Rafael Fernandes, Rafael Godeiro, Riacho da Cruz, Riacho de Santana, Riachuelo, Rodolfo Fernandes, Ruy Barbosa, Santa Cruz, Santa Maria, Santana do Matos, Santana do Seridó, Santo Antônio, São Bento do Norte, São Bento do Trairi, São Fernando, São Francisco do Oeste, São João do Sabugi, São José de Campestre, São José do Seridó, São Miguel, São Paulo do Potengi, São Pedro, São Rafael, São Tomé, São Vicente, Senador Eloi de Souza, Serra Caiada, Serra de São Bento, Serra do Mel, Serra Negra do Norte, Serrinha, Serrinha dos Pintos, Severiano Melo, Sítio Novo, Taboeleiro Grande, Taipu, Tangará, Tenente Ananias, Tenente Laurentino Cruz, Tibau, Timbaúba dos Batistas, Triunfo Potiguar, Umarizal, Upanema, Várzea, Venha-Ver, Vera Cruz e Viçosa.

AGORA RN

Postado em 7 de fevereiro de 2019 - 8:12h

PM prende dupla de assaltantes e recupera material roubado em Nova Cruz

A Polícia Militar, por meio de policiais do 8º BPM/Nova Cruz, prendeu em flagrante, na noite de terça-feira, 5, por volta das 20h, uma dupla de assaltantes que havia acabado de roubar uma senhora nas imediações do bairro Frei Damião.

De posse das características dos meliantes, os PMs iniciaram as diligências e encontrou o primeiro acusado, identificado como Joedson Deivid Menezes da Silva, 26 anos, vulgo Peta. Com ele os policiais encontraram o aparelho celular da vítima e uma bolsa contendo um mostruário de jóias avaliado em R$ 3,5 mil.

O assaltante confessou a identidade e o endereço do seu comparsa, que foi localizado e detido dentro de sua residência. O segundo indivíduo foi identificado como Tiago Vinicius Campos Alves, 25 anos, morador do bairro Frei Damião.

Na residência deste segundo acusado, os policiais apreenderam uma certa quantidade de drogas (maconha e cocaína), dinheiro fracionado, sacos de embalar drogas, dois celulares de procedência duvidosa, além de uma munição de calibre 38.

Ambos assaltantes foram reconhecidos pela vítima, bem como a faca utilizada no roubo. Foi verificado também que os acusados são conhecidos da PM, possuindo extensa ficha criminal e já respondendo pela prática de assaltos e tráfico de drogas.

Todos envolvidos foram conduzidos a Delegacia de Plantão Zona Sul em Natal, para lavratura do Auto de Prisão em Flagrante.

Material apreendido:

✔ 01 (uma) Faca peixeira;
✔ 01 (um) Aparelho celular Lenovo;
✔ 01 (uma) Bolsa a Tiracolo Preta, contendo um catálogo e um mostruário de jóias Romanel;
✔ 01 (um) Cartucho de Cal 38;
✔ 01 (uma) Porção de maconha;
✔ 01 (uma) Porção de cocaína;
✔ 02 (dois) Aparelhos celulares (Nokia e Motorola);
✔ R$ 624,00 reis em dinheiro fracionada.

Equipes envolvidas:

✔ Rádio Patrulha – RP 802;
✔ Rádio Patrulha- RP 804;
✔ Grupo Tático Operacional – GTO 01.

AGORA RN

Postado em 7 de fevereiro de 2019 - 7:58h

Indivíduo com passagem pelos sistema prisional morre em confronto com a Polícia Militar no município de Grossos no RN

A ocorrência foi registrada no final da tarde desta quarta feira, 06 de fevereiro de 2019, no Loteamento Alto da Serra, no município de Grossos, distante, 46,5 Km de Mossoró, na região do Litoral Oeste Potiguar.

De acordo com informações repassadas pela PM, policiais do destacamento daquela cidade, com apoio da guarnição de Tibau, foram atender uma ocorrência, onde possivelmente indivíduos estariam exibindo armas naquela comunidade.

As guarnições ao chegarem na comunidade e tentarem abordar os suspeitos, foram recebidas a tiros. Houve revide a injusta ação contra os policiais e durante o confronto, um suspeito identificado como, Lázaro Mateus da Silva, 19 anos de idade, já com passagem pelos sistema prisional do RN, por roubo (art. 157), acabou sendo baleado.

Ele ainda chegou a ser socorrido pelos policiais, para o hospital da cidade, mas não resistiu e foi a óbito na unidade hospitalar. Os outros suspeitos conseguiram fugir do cerco policial. O corpo de Lázaro Mateus, será encaminhado ao ITEP, unidade regional de Mossoró, onde será necropsiado e depois liberado para a família sepultar.

FIM DA LINHA

Postado em 7 de fevereiro de 2019 - 7:54h

Investigada de participação na morte do Cabo Ildônio foi presa em Mossoró

Delegacia Regional e Delegacia de Homicídios (Dehom) de Mossoró com apoio da força Nacional, polícia civil e polícia militar de Caraúbas, dão cumprimento ao mandado de prisão exarado pela comarca de Caraúbas, em desfavor de, Rosilene Araújo de Oliveira, 55 anos, a qual foi presa pelo crime de participação de organização criminosa, com maior intensidade na cidade de Caraúbas:
Conforme apontam as investigações da polícia civil de Caraúbas, após consumado o latrocínio qualificado, onde vitimou o policial militar CB/PM ILDONIO JOSE DA SILVA (fato ocorrido em 16.08.2018).(RELEMBRE)
ROSILENE foi a principal responsável por esconder os autores do latrocínio acima citado, bem como os demais integrantes da facção criminosa SINDICATO DO RN em sua propriedade (sítio Brasília), zona rural de Caraúbas.
Inclusive, no dia seguinte após ocorrido, 17.08.2018, tentou retirar o seu filho ALEILSON MELQUIADES DE OLIVEIRA e o seu comparsa LUIS FELIPE DE LIMA, da cidade de Caraúbas para não serem presos, porém, foram detidos pela PRF e presos em flagrante delito.
A Policial Civil de Caraúbas informou que ROSILENE mesmo sendo beneficiada com as cautelares diversas da prisão (PRISÃO DOMICILIAR), encontrava-se incorrendo em outros crimes, motivo pelo qual a justiça expediu o mandado de prisão em seu desfavor.
Após os procedimentos de praxe, ROSILENE foi encaminhada para a Cadeia Pública Mário Negócio, cidade se Mossoró, ficando a disposição da justiça.
Icém Caraúbas
Postado em 7 de fevereiro de 2019 - 7:19h

Ministro garante recursos para ciência e tecnologia no RN

Ministro de Bolsonaro garantiu aprovação de R$ 3 milhões para a conclusão do projeto Infovia Potiguar, que tem como objetivo levar ciência e tecnologia ao interior do estado. A audiência da Governadora com o ministro da Ciência e Tecnologia (MCTIC), Marcos Pontes, foi realizada nesta quarta feira. A reitora da UFRN, professora Ângela Paiva, também participou da reunião.

O projeto fortalece a inclusão digital na rede de instituições de educação do estado, que inclui a Universidade Federal do Rio Grande do Norte e o Instituto Federal. Serão sete redes metropolitanas, além de Mossoró e Caicó, instaladas nos municípios de Currais Novos, Santa Cruz, Açu/Ipanguaçu, Ceará Mirim, São Gonçalo do Amarante, João Câmara e Pau dos Ferros. A manutenção da infraestrutura óptica da Infovia Potiguar foi formalizada mediante Acordo de Cooperação Técnica com três provedores regionais no prazo de 10 anos (PPP).

Parque Tecnológico

Fátima e Jean Paul pediram ainda ao ministro apoio para a criação do Parque de Tecnologia da UFRN, em Macaíba, onde hoje funciona o Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra (IIN-ELS), Campus do Cérebro. O projeto precisa de investimento em infraestrutura. Marcos Pontes prometeu estudar uma forma de implementar o projeto e anunciou que quer conhecer pessoalmente as instalações do IIN-ELS.

O ministro garantiu ainda que as áreas que não têm hoje acesso à internet vão ser contempladas com sinal via satélite, administrado hoje pela Telebrás e pelo ministério. O senador e a governadora solicitaram ainda apoio à Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte (FAPERN). Além da equipe do ministério, participaram da reunião a reitora da UFRN, Ângela Paiva, e técnicos.

JAIR SAMPAIO

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 20:12h

Suspeito morre de overdose após engolir cocaína para fugir da polícia

Um suspeito de tráfico de drogas morreu de overdose após ser preso, junto a outro suspeito, com arma e drogas, no bairro Auta de Souza, em Macaíba, na Grande Natal. Através de informações do Disque-Denúncia, a polícia chegou ao endereço conhecido por ser ponto de venda de entorpecentes na comunidade. Wedson Ramalho de Lima, de 24 anos, conhecido como Madimbu, foi encontrado e informou aos policiais onde havia mais drogas. O que ele não contou foi que, para escapar do flagrante, havia ingerido uma cápsula de cocaína.

A polícia seguiu para o outro endereço, no bairro vizinho, e encontrou uma pistola 9mm, cocaína, maconha e sacos plásticos possivelmente usados para embalar a droga para a venda. Na casa, também foi preso Nathan Thales da Silva Oliveira, 21 anos.

A dupla foi encaminhada para a Delegacia de Plantão da Zona Sul de Natal. Mas, ao chegar, Madimbu disse estar passando mal. Os militares o levaram para o Hospital Walfredo Gurgel, principal unidade de saúde de Natal, mas ele não resistiu. A suspeita é de que a cápsula tenha se rompido no organismo, o que causou a overdose.

Madimbu, vulgo do suspeito, é o nome de um personagem dos quadrinhos e desenho animado Dragon Ball. Ele era um dos vilões principais da trama. A grafia correta é Majin Boo.

OP9

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 20:10h

Moro diz que policial não pode ser tratado como homicida se criminoso morrer

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, afirmou nesta quarta-feira (6) que “ninguém” deseja a morte de criminosos, mas, se houver algum incidente, os policiais não podem ser tratados como homicidas.

Moro deu a declaração após se reunir com parlamentares na Câmara dos Deputados para apresentar o pacote anticrime e anticorrupção, divulgado na última segunda (4).

Entre vários outros pontos, a proposta livra de pena o agente policial ou de segurança pública que matar alguém quando estiver em serviço em situação de “conflito armado ou em risco iminente de conflito armado” ou para prevenir “injusta e iminente agressão a direito seu ou de outrem”.

“Ninguém deseja a morte de criminoso, o criminoso tem que responder segundo a lei. Mas, se um incidente infeliz acontecer, o policial não pode ser tratado como homicida”, declarou.

De acordo com o ministro da Justiça, o projeto não prevê “licença para matar”. Segundo ele, se alguém avalia dessa forma, “está fazendo uma leitura absolutamente equivocada que não é consistente” com o texto apresentado.

Ainda na entrevista, Moro afirmou que as pessoas não são robôs e, por isso, “eventualmente” podem reagir sob “violenta emoção”.

Apresentação do pacote

Em um plenário lotado de parlamentares e assessores, Moro apresentou o projeto por quase duas horas.

Ele explicou os pontos da proposta e depois abriu espaço para perguntas dos deputados.

No entanto, nem todos os inscritos tiveram chance de fazer questionamentos porque o ministro alegou outro compromisso fora da Câmara e precisou deixar o local.

Cada partido indicou um representante para fazer questionamentos, e os nomes foram sorteados pelo coordenador da Frente Parlamentar da Segurança Pública, conhecida como a “bancada da bala”, deputado Capitão Augusto (PR-SP).

Mudança a pedido de governadores

Segundo Sérgio Moro, houve uma mudança na redação do pacote a pedido de governadores com os quais se reuniu na última segunda-feira.

“Foi solicitado [apresentada] uma preocupação [para] o projeto habilitar as polícias de retirar criminosos perigosos com armas pesadas na rua, e os governadores fizeram uma sugestão específica. […] A ideia é essa, tirar pessoas muitas vezes com armamentos pesados, indicativo de serem membros de organizações criminosas, da circulação, proteger o cidadão”, declarou Moro.

Repercussão do encontro

Em entrevista ao final do encontro com Moro, o deputado Capitão Augusto afirmou que o projeto foi bem recebido pela maior parte dos parlamentares. Na opinião dele, vários pontos da proposta têm chance de serem aprovados ainda neste semestre.

“[São] projetos que têm viabilidade de serem aprovados. Não são projetos complexos, que demandam teoria, convencimento. É muito fácil realmente a forma como ele expôs, a justificativa [dada]. Por isso que não deveremos ter grandes problemas para aprovação desse projeto. Então, estou bastante otimista que neste semestre nós vamos conseguir aprovar boa parte do que foi proposto hoje”, disse.

Para ele, o projeto supre a necessidade de atualizar a legislação na área de segurança pública. Ele defendeu, no entanto, que sejam feitas algumas inclusões no projeto.

“Por exemplo, aqui não foi tratado o bloqueio de celulares dos presídios, que é uma coisa que nós vamos ter que incluir nesse projeto, nesse pacote”, afirmou.

G1

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 20:06h

VÍDEO: Policial tem mal súbito e morre durante treinamento em Petrolina

Um policial do Batalhão Especializado de Policiamento do Interior (Bepi) morreu nesta quarta-feira (6) ao participar de um treinamento na Ilha do Fogo, na limite de Petrolina, no Sertão de Pernambuco, e Juazeiro, na Bahia. O soldado Luciano de Souza Menezes teve um mal súbito e foi resgatado da água sem sinais vitais.

O Samu e o Corpo de Bombeiros foram acionados e tentaram reanimar o policial, mas não obtiveram êxito. Com a chegada da UTI Móvel, os socorristas fizeram o monitoramento cardíaco e uso de drogas vasoativas,  mas após 45 minutos de reanimação, o óbito foi constatado.

Em nota, o 27º Curso Intensivo de Operações e Sobrevivência em Área de Caantiga (Ciosac), informou que no momento do mal súbito, o soldado usava duas boias, do tipo rescue-tubes, e era acompanhado por quatro instrutores, além de uma embarcação dos bombeiros.

De acordo com a Polícia Militar de Pernambuco (PMPE), na véspera da realização do curso um teste foi feito e constatou que Luciano de Souza tinha condições de participar da atividade. No entanto, quase no fim do percurso, o soldado sentiu cansaço e pediu uma boia, que foi entregue por uma equipe dos Bombeiros que acompanhava a movimentação. Depois, ele desfaleceu e foi retirado imediatamente da água.

A PM lamentou a morte do soldado e informou que ele era do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) e realizava o curso em caráter de especialização. “Apesar do infortúnio, a corporação destaca que nenhuma medida preventiva deixou de ser tomada. Além da equipe técnica composta por quatro instrutores do BEPI que acompanhava a travessia, o policial recebia o acompanhamento de um enfermeiro socorrista do SAMU e oito bombeiros, sendo um oficial e sete praças, distribuídos em três embarcações e uma motonáutica (Jet Ski)”, acrescentou em nota.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, também nesta quarta-feira houve um chamado para atender outro aluno que teve um espasmo muscular durante o mesmo curso. Ele foi socorrido consciente para a UPA. Segundo o órgão, o espasmo foi causado pelo alto esforço físico.

OP9

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 20:04h

Número de mortos em Brumadinho chega a 150; 182 estão desaparecidos

O número de mortos após o rompimento de uma barragem de rejeitos da mineradora Vale em Brumadinho, Minas Gerais, subiu para 150, conforme balanço divulgado hoje (6) pela Defesa Civil do estado. Desse total, 134 vítimas foram identificadas e 16 permanecem sem identificação até o momento. Ainda de acordo com a atualização, 182 pessoas continuam desaparecidas, sendo 55 funcionários da Vale e 127 terceirizados e membros da comunidade. A tragédia deixou, ao todo, 103 desabrigados. Três pessoas permanecem hospitalizadas.

Prisões

A Polícia Militar de Minas Gerais informou que, desde o rompimento da barragem, seis prisões foram efetuadas na região, sendo duas por utilização indevida de drone. Em um desses casos, a corporação destacou que o uso desse tipo de equipamento colocou em risco aeronaves utilizadas nos trabalhos de busca e resgate. Ainda de acordo com a polícia, duas pessoas foram presas por tentativa de saque e duas por tentativa de estelionato. A corporação reforçou que, neste momento, não há necessidade de envio de doações e pediu que a população fique atenta a indivíduos que acabam se aproveitando da tragédia para angariar vantagem.

Coleta de DNA

A Polícia Civil de Minas Gerais informou que, amanhã (7), equipes do Instituto Médico Legal (IML) vão recolher amostras de DNA e exames odontológicos de vítimas do rompimento da barragem. A coleta será feita na Estação do Conhecimento, das 9h às 17h. De acordo com a corporação, dos 134 corpos identificados, 124 já foram liberados e entregues às famílias. A polícia informou ter realizado, até o momento, 522 coletas de amostras para exame de DNA.

Boatos

Em entrevista coletiva, o porta-voz do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, tenente Pedro Aihara, classificou de “boato falacioso” a informação de que a operação no município mineiro estaria perto de ser encerrada. Segundo Aihara, os trabalhos demandam muito tempo, e ainda não há prazo estabelecido para que sejam encerrados.

A maior parte dos corpos resgatados pela corporação nas últimas 24 horas, de acordo com o tenente, foi encontrada no estacionamento, na estação de tratamento químico e nos arredores do vestiário da Vale. Aihara destacou que, neste momento, é necessário fazer uma escavação bastante profunda, por meio de maquinário pesado, para ter acesso às vítimas.

Chuva

O porta-voz do Corpo de Bombeiros destacou que há previsão de chuva em Brumadinho, nos próximos sete a dez dias, o que pode dificultar os trabalhos na região onde a barragem se rompeu. Aihara disse que a precipitação demanda modificações nas áreas de busca por conta da movimentação e da nova acomodação dos rejeitos. Ele informou ainda que uma reunião com o comando-geral da corporação deve definir os rumos da operação nos próximos dias. As buscas no Rio Paraopeba serão mantidas.

OP9

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 20:01h

Polícia Civil apreende 5 mil quilos de maconha na Grande Natal

A Delegacia Especializada de Furtos e Roubos (Defur) apreendeu, em uma operação realizada nesta quarta-feira (6), cinco mil quilos de maconha. A ação aconteceu em uma granja na cidade de Macaíba, na Grande Natal. Cinco pessoas foram presas.

Além da droga, os policiais civis também apreenderam dinamite, munições e coletes à prova de bala.

G1/RN

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 19:55h

Colisão entre caminhões deixa dois mortos na BR-116 em Pacajus no CE

Uma colisão frontal entre dois caminhões, um contendo uma carga com remédios e outro levando combustível, deixou pelo menos dois mortos no fim da manhã desta quarta-feira (6), no Km 54 da BR-116, em Pacajus, na Região Metropolitana de Fortaleza

Uma das vítimas ficou presa às ferragens de um dos veículos. A outra foi jogada para um matagal às margens da pista. Ainda não há informações sobre a identidade dos mortos.

Com o acidente, houve vazamento de combustível na pista. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) precisou interditar totalmente a via por cerca de uma hora. A pista já foi liberada.

Até a publicação, a ocorrência estava em andamento e não ainda não havia informações sobre o que teria causado a colisão.

O Corpo de Bombeiros e a Perícia Forense do Ceará (Pefoce) foram acionados ao local.

G1/CE

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 19:50h

Vale soube de problemas em sensores de Brumadinho dois dias antes do rompimento de barragem

Uma troca de e-mails entre profissionais da Vale e duas empresas ligadas à segurança da barragem de Brumadinho mostra que, dois dias antes do rompimento, a Vale já havia identificado problemas nos dados de sensores responsáveis por monitorar a estrutura.

Os e-mails foram identificados pela Polícia Federal. Até esta quarta-feira, havia a confirmação de 150 mortos e 182 desaparecidos em decorrência do mar de lama liberado após o rompimento da barragem.

A TV Globo teve acesso aos depoimentos prestados por dois engenheiros da empresa TÜV SÜD, André Jum Yassuda e Makoto Namba, responsáveis por laudos de estabilidade da barragem.

Os advogados Augusto de Arruda Botelho e Brian Alves Prado, que defendem os engenheiros, disseram que não vão comentar.

Yassuda e Namba foram presos pela Polícia Federal na semana passado. Nesta terça-feira (5), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que eles fossem libertados.

Ao questionar Namba, o delegado Luiz Augusto Nogueira, da Polícia Federal, se refere à existência de e-mails trocados entre funcionários da Vale, da TÜV SÜD e da Tec Wise, outra empresa contratada pela Vale.

As mensagens começaram a ser trocadas no dia 23 de janeiro, às 14h38, e se prolongaram até as 15h05 do dia seguinte. A barragem se rompeu em 25 de janeiro.

Nas perguntas, o delegado diz que o assunto das mensagens “diz respeito a dados discrepantes obtidos através da leitura dos instrumentos automatizados (piezômetros) no dia 10/01/2019, instalados na barragem B1 do CCF, bem como acerca do não funcionamento de 5 (cinco) piezômetros automatizados”.

No depoimento não constam, no entanto, detalhes sobre as mensagens.

O engenheiro afirma que só ficou sabendo das alterações dos dados fornecidos pelos sensores após o rompimento da barragem.

Depois de lidas as mensagens para ele, Namba foi questionado sobre “qual seria sua providência caso seu filho estivesse trabalhando no local da barragem”.

Namba respondeu, segundo o relatório da Polícia Federal, que “após a confirmação das leituras, ligaria imediatamente para seu filho para que evacuasse do local bem como que ligaria para o setor de emergência da Vale responsável pelo acionamento do PAEBM [Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração] para as providências cabíveis”.

A TÜV SÜD informou que não comentaria o assunto por estar sob sigilo.

Engenheiro se disse pressionado

No depoimento, o engenheiro Makoto Namba também relatou uma reunião com funcionários da Vale sobre o laudo de estabilidade assinado por ele.

Namba disse que um funcionário da Vale chamado Alexandre Campanha perguntou a ele: “A TÜV SÜD vai assinar ou não a declaração de estabilidade?”.

Namba disse à PF ter respondido que a empresa assinaria o laudo se a Vale adotasse as recomendações indicadas na revisão periódica de junho de 2018, mas assinou o documento.

Segundo ele, “apesar de ter dado esta resposta para Alexandre Campanha, o declarante sentiu a frase proferida pelo mesmo e descrita neste termo como uma maneira de pressionar o declarante e a TÜV SÜD a assinar a declaração de condição de estabilidade sob o risco de perderem o contrato”.

G1

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 18:03h

Lula é condenado a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro em ação da Lava Jato sobre sítio de Atibaia

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado, nesta quarta-feira (6), a 12 anos e 11 meses por corrupção e lavagem de dinheiro no processo da Lava Jato que apura se ele recebeu propina por meio da reforma de um sítio em Atibaia (SP).

A sentença da juíza substituta Gabriela Hardt, da primeira instância, é a segunda que condena Lula na Operação Lava Jato no Paraná. Cabe recurso. Outras 12 pessoas foram denunciadas no processo.

Gabriela Hardt – que substituiu o juiz Sérgio Moro – decretou a interdição de Lula para o exercício de cargo ou função pública pelo período equivalente ao dobro da pena estabelecida. A medida atinge ainda os outros condenados por lavagem de dinheiro – Léo Pinheiro, José Carlos Bumlai, Emílio Odebrecht, Alexandrino Alencar, Carlos Paschoal, Emyr Dinis, Roberto Teixeira, Fernando Bittar e Paulo Gordilho.

A juíza declarou ter ficado comprovado que:

  • A OAS foi a responsável pelas reformas na cozinha do sítio de Atibaia no ano de 2014;
  • As obras foram feitas a pedido de Lula e em benefício de sua família, sendo que ex-presidente acompanhou o arquiteto responsável, Paulo Gordilho, ao menos na sua primeira visita ao sítio, bem como o recebeu em São Bernardo do Campo para que este lhe explicasse o projeto;
  • Foram executadas diversas benfeitorias no sítio, mas consta da denúncia somente o valor pago à empresa Kitchens, no valor de R$ 170 mil;
  • Toda a execução da obra foi realizada de forma a não ser identificado quem executou o trabalho e quem seria o beneficiário;
  • Todos os pagamentos efetuados pela OAS à empresa Kitchens foram feitos em espécie, no intuito de não deixar rastros de quem era o pagador;
  • Não houve ressarcimento à OAS dos valores desembolsados pela empresa em benefício de Lula e de sua família.

Gabriela Hardt afirmou que:

  • “É fato que a família do ex-presidente Lula era frequentadora assídua no imóvel, bem como que usufruiu dele como se dona fosse. Inclusive, em 2014, Fernando Bittar alegou que sua família já não o frequentava com assiduidade, sendo este usado mais pela família de Lula”;
  • Lula tinha pleno conhecimento de que a OAS era uma das participantes do “grande esquema ilícito que culminou no direcionamento, superfaturamento e pagamento de propinas em grandes obras licitadas em seu governo, em especial na Petrobras. Contribuiu diretamente para a manutenção do esquema criminoso”;
  • O ex-presidente também tinha uma relação próxima com o ex-presidente da OAS José Aldemário Pinheiro Filho, e “tinha ciência do ‘caixa geral’ de propinas mantido entre a empresa e o Partido dos Trabalhadores”;
  • Consequentemente, Lula tinha plena ciência da origem ilícita dos recursos utilizados pela OAS na reforma da cozinha do sítio. “Portanto, reputo comprovada sua autoria pela contribuição na ocultação e dissimulação de que era o real beneficiário dos valores ilícitos empregados pela OAS na reforma do sítio de Atibaia”;
  • “Foram ouvidas mais de uma centena de testemunhas, anexados dezenas de depoimentos produzidos em feitos correlatos como prova emprestada, deferida realização de prova pericial, anexados diversos documentos, sendo nítido que a produção probatória é farta”.

A juíza determinou ainda o confisco do sítio de Atibaia. Ela afirmou que, apesar de o processo não discutir a propriedade do imóvel – mas, sim, as reformas que foram feitas nele –, os valores do terreno e das benfeitorias são equivalentes. Assim, não haveria como decretar a perda das benfeitorias, sem afetar o imóvel.

De acordo com ela, após a venda do sítio, a diferença entre o valor das benfeitorias e o valor pago pelo imóvel deve ser revertida aos proprietários – Fernando Bittar e a esposa. A alienação só deve ocorrer, porém, após o trânsito em julgado do processo.

O ex-presidente está preso em Curitiba desde abril de 2018, cumprindo a pena de 12 anos e um mês determinada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), na primeira condenação dele na segunda instância pela Lava Jato.

G1 entrou em contato com a defesa de Lula, que informou ainda não ter um posicionamento sobre a condenação.

Veja quais os crimes e a condenação ou absolvição de cada um dos réus:

  • Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República: condenado a 12 anos e 11 meses pelos crimes de corrupção passiva, ativa e lavagem de dinheiro;
  • Marcelo Odebrecht, ex-presidente da Odebrecht: seria condenado a 5 anos e 4 meses pelo crime de corrupção passiva, mas teve a condenação suspensa por causa do acordo de delação premiada;
  • José Adelmário Pinheiro (Léo Pinheiro), ex-presidente da OAS: condenado a 1 ano, 7 meses e 15 dias pelos crimes de lavagem de dinheiro;
  • José Carlos Bumlai, pecuarista: condenado a 3 anos e 9 meses pelo crime de lavagem de dinheiro;
  • Emílio Odebrecht, ex-presidente do Conselho de Administração do Grupo Odebrecht à época: condenado a 3 anos e 3 meses pelo crime de lavagem de dinheiro;
  • Alexandrino de Alencar, ex-executivo da Odebrecht: condenado a 4 anos pelo crime de lavagem de dinheiro;
  • Carlos Armando Guedes Paschoal, ex-diretor da Odebrecht: condenado a 2 anos pelo crime de lavagem de dinheiro;
  • Emyr Diniz Costa Junior, ex-engenheiro da Odebrecht: condenado a 3 anos pelo crime de lavagem do dinheiro;
  • Roberto Teixeira, advogado: condenado a 2 anos pelo crime de lavagem de dinheiro;
  • Fernando Bittar, empresário, sócio de um dos filhos de Lula: condenado a 3 anos pelo crime de lavagem de dinheiro;
  • Paulo Roberto Valente (Paulo Gordilho), ex-engenheiro da OAS: condenado a 1 ano pelo crime de lavagem de dinheiro;
  • Agenor Franklin Medeiros, ex-executivo da OAS: absolvido da acusação de corrupção ativa;
  • Rogério Aurélio Pimentel, ex-assessor especial da Presidência: absolvido da acusação de lavagem de dinheiro.

A denúncia

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), Lula recebeu propina do Grupo Schahin, de José Carlos Bumlai, e das empreiteiras OAS a Odebrecht por meio da reforma e decoração no sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), que o ex-presidente frequentava com a família. Outras 12 pessoas foram denunciadas no processo.

A acusação trata do pagamento de propina de pelo menos R$ 128 milhões pela Odebrecht e de outros R$ 27 milhões por parte da OAS.

Para os procuradores, parte desse dinheiro foi usada para adequar o sítio às necessidades de Lula. Segundo a denúncia, as melhorias na propriedade totalizaram R$ 1,02 milhão.

O MPF afirma que a Odebrecht e a OAS custearam R$ 850 mil em reformas na propriedade. Já Bumlai fez o repasse de propina ao ex-presidente no valor de R$ 150 mil, ainda conforme o MPF.

Segundo o MPF, Lula ajudou as empreiteiras ao manter nos cargos os ex-executivos da Petrobras Renato Duque, Paulo Roberto Costa, Jorge Zelada, Nestor Cerveró e Pedro Barusco, que comandaram boa parte dos esquemas fraudulentos entre empreiteiras e a estatal, descobertos pela Lava Jato.

Outra condenação

O ex-presidente já havia sido condenado a nove anos e seis meses de prisão, na primeira instância da Lava Jato, pelos crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro, em julho de 2017, no processo referente ao triplex de Guarujá (SP).

Em 24 de janeiro, por unanimidade, a 8ª Turma do TRF4 manteve a condenação e aumentou a pena de prisão do ex-presidente de 9 para 12 anos e 1 mês. Ele recorreu e, com todos os recursos esgotados, começou a cumprir a pena em abril de 2018.

Desde então, o petista está preso uma sala especial na PF, na capital paranaense.

Veja, abaixo, o que diz a defesa de Fernando Bittar:

“Fernando Bittar foi condenado por uma única lavagem de dinheiro que será objeto de recurso. De qualquer modo, é importante frisar que o próprio MPF reconheceu que ele era – e é – o verdadeiro proprietário do sito de Atibaia. Nem ele e nem o ex-presidente Lula foram condenados por dissimulação quanto à propriedade do sítio”. (Alberto Zacharias Toron, advogado, em nota)

G1

 

 

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 17:58h

Ex-vice-governador Fábio Dantas volta a dizer que governo Fátima mente com o extrato publicado nesta terça

Ontem o governo Fátima Bezerra divulgou um texto informando que não havia dinheiro em caixa, mas o ex-vice-governador Fábio Dantas voltou a dizer que a gestão está mentindo a partir de uma mistura nos números para forma de ludibriar a população.

De acordo com Fábio, para justificar a decisão de não pagar os salários atrasados dos servidores com o saldo financeiro obtido pelo Estado no mês de janeiro de 2019, o Governo divulgou a nota misturando fontes de receitas e de repasses obrigatórios com o objetivo de confundir o debate público sobre o assunto.

“Porém, os dados divulgados pelo próprio Portal da Transparência revelam a realidade que o Governo quer esconder. No mês de janeiro, o Estado arrecadou, de todas as fontes, o total de R$1.062.151.230,39 e gastou R$773.417.639,02, sobrando R$288.733.591,37”, disse.

Ainda segundo o ex-vice-governador, o Portal de Transparência do Estado demonstra, o Governo pagou quase vinte um milhões de reais de despesas de exercícios anteriores, negligenciando, porém, o pagamento dos servidores dos anos de 2017 e 2018.

Números do Portal da Transparência apresentados por Fábio Dantas

Balanço financeiro:

Receitas: R$1.062.151.230,39
Repasses p/ Outros Poderes: R$121.873.296,25
Transferências de Recursos: R$5.235.559,50
Gastos Diretos: R$646.308.783,27
Saldo: R$288.733.591,37

Deste saldo, quase a totalidade (98,43%) é de receitas ordinárias do Estado (fonte 100), que podem ser destinadas ao pagamento de pessoal:

Receitas Ordinárias: R$680.459.266,45
Despesas com Recursos Ordinários no Exercício Corrente: R$375.408.792,20
Despesas com Recursos Ordinários de Restos a Pagar: R$20.839.860,66
Saldo de Receitas Ordinárias: R$284.210.613,59

BLOG DO BG

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 15:03h

Agência Brasileira de Inteligência(Abin) é autorizada a classificar dados como ultrassecretos; veja como fica

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, delegou para autoridades da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) a competência para classificar informações nos graus ultrassecreto e secreto. O GSI é vinculado à Presidência da República. A Abin é subordinada ao GSI.

A decisão do ministro, publicada no “Diário Oficial da União” desta quarta-feira (6), foi tomada 14 dias depois de decreto assinado pelo vice-presidente Hamilton Mourão, que autorizou servidores comissionados e dirigentes de fundações, autarquias e empresas públicas a determinarem sigilo ultrassecreto a dados públicos.

No decreto, o ministro Augusto Heleno autoriza o diretor-geral da Abin a classificar informações no grau ultrassecreto. Outros servidores da agência – diretor-adjunto, secretário de Planejamento e Gestão, e diretores de unidades da agência de cargos em comissão – podem classificar no grau secreto.

O GSI responde pela coordenação da área de inteligência do governo. A estrutura ainda comanda a segurança pessoal do presidente da República.

O decreto de Mourão, publicado no dia 24 de janeiro, alterou as regras de aplicação da Lei de Acesso à Informação (LAI). Antes, essa classificação dos documentos só podia ser feita pelo presidente e vice-presidente da República, ministros de Estado e autoridades equivalentes, além dos comandantes das Forças Armadas e chefes de missões diplomáticas no exterior.

Segundo Mourão, informações consideradas ultrassecretas no país são “raríssimas”. Ele também afirmou que o decreto ‘diminui a burocracia’.

“O decreto única e exclusivamente ele diminui a burocracia na hora de você desqualificar alguns documentos sigilosos”, disse Mourão na ocasião da assinatura do decreto.

A LAI, que entrou em vigor em 2012, criou mecanismos que possibilitam a qualquer pessoa (física ou jurídica) o acesso às informações públicas dos órgãos e entidades, sem necessidade de apresentar motivo.

Classificação de informações

ultrassecreto – grau máximo de sigilo; informações podem se tornar públicas após 25 anos;

secreto – impõe 15 anos de sigilo;

reservado – protege a informação por 5 anos.

Os demais documentos, sem nenhuma dessas classificações, devem ser disponibilizados ao público.

G1

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 15:01h

Polícia Civil do RN: um dos menores efetivos do Brasil

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte (PCRN) é uma instituição que vem sendo sucateada há anos, seus profissionais trabalham em delegacias com condições estruturais totalmente adversas, salários atrasados, sem equipamentos adequados e com sobrecarga de demandas. Há dez anos sem realizar concurso publico, a PCRN possui um dos menores efetivos do Brasil. Estamos em 23º no ranking em comparação com os 27 estados da federação (fonte: COBRAPOL).
A proporção ideal de policial/habitante é relativa, os contextos sócio-culturais envolvidos como credibilidade da força policial e níveis de violência variam em todos os lugares, a quantidade de policiais necessária em Tóquio, considerada a capital mais segura, não é a mesma de Natal que é uma das cidades mais violentas do mundo. Em análise aos contextos e peculiaridades locais em 2010 foi instituído através da Lei Complementar 417/2010, que o efetivo policial civil necessário ao RN era 5.150 policiais, e hoje contamos com um efetivo de 1.398. Em 2010, o estado do RN era um dos mais seguros do Brasil, ao contrário de hoje.

Estudos realizados por duas universidades em Santa Catarina (UFSC e UNISUL), que envolvem a atividade policial civil, demonstram que 60% do efetivo estava acometido por síndrome de burnout, caracterizando a atividade como de estresse excessivo e demonstrando não haver diferença significativa entre o policial operacional de rua e aquele que faz atividade de atendimento ao publico e coleta de oitivas, referentes a atividades internas. Fadiga e sobrecarga de trabalho são uns dos itens desencadeadores da síndrome. O efetivo policial civil de SC é maior que do RN.

A PCRN não possui um sistema informatizado que possa garantir otimização do efetivo e uma melhor eficiência na resolução dos crimes, o que também impede a mensuração dos resultados dos trabalhos produzidos demonstrando a produção individualizada por área, por delegacia e por policial. A falta de sistemas informatizados adequados também gera uma subnotificação dos crimes, ausência de informação sobre a criminalidade em diversas áreas e ausência de compartilhamento de informações entre as forças de segurança no estado. Soluções simples para esta situação existem, mas a burocracia e a inscícia por parte dos gestores da nossa instituição relativa a políticas de tecnologia, impedem a implantação de sistemas inteligentes.
Qual a efetividade na resolução de crimes que PCRN tem? A resposta é complexa por não haver dados confiáveis, devido a falta de um sistema informatizado e gerenciável na instituição. A média nacional de resolubilidade de crimes de homicídios dolosos (intenção de matar) é de 6%, conforme dados oficiais da Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública. Possivelmente nosso índice seja igual ou pior, pois temos uma das policias mais deficitárias do país em relação a efetivo. A impunidade impera no Estado do Rio Grande do Norte.
Nosso estado possui uma das maiores taxas de mortes do sexo feminino no Brasil, de 2015 até agosto de 2018 foram 270 mortes, sendo 71 por razão de gênero. No ranking nacional, o estado potiguar figura na quarta posição com o maior crescimento de mulheres assassinadas, conforme relatório do Observatório da Violência no RN (OBVIO). A maioria desses crimes aconteceu no período noturno e finais de semana. Por motivo do baixo efetivo as delegacias especializadas de atendimento a mulher (DEAM), não apuram lesão corporal, ameaça, importunação ofensiva ao pudor, injuria, calúnia e difamação mesmo tendo motivação de gênero (não sendo em sede de violência domestica); nem tentativa de feminicídio e nem feminicídio. Não há no nosso estado nenhum atendimento especializado a mulher no período noturno e nos fins de semana, as DEAMs fecham a noite por falta de efetivo. No período de maior vulnerabilidade da mulher, ela irá encontrar as portas da Polícia Civil do RN fechadas.
Quais políticas e atitudes o Ministério Publico tem realizado em prol da instituição PCRN no sentido de fortalecê-la? Qual o apoio em prol de um concurso publico e da aquisição de ferramentas que possam qualificar a investigação na luta contra a impunidade? Por que não ajudar a fortalecer uma instituição que pode promover a justiça e proteger a sociedade? “Nenhuma pergunta é tão difícil de responder quando aquela cuja resposta é óbvia”, Bernard Shaw. O Ministério Publico do RN, instituição rica, sólida e bem estruturada, deveria atuar de forma mais contundente na busca do fortalecimento da polícia investigativa, com intuito de diminuir os índices de impunidade e criminalidade no nosso estado.
Muitos policiais se submetem a mais de 70 horas semanais de carga horária, para terem uma complementação salarial em diárias operacionais. O salário em início de carreira de agentes e escrivães é de R$3.755,48, temos um dos piores salários do Brasil, 24º do ranking entre estados. Os policiais civis sofrem há mais de dois anos com regulares atrasos salariais.
Com todas estas adversidades o termo herói não é adequado para o policial civil do RN, pois o herói sempre possui dotes extraordinários, sobre-humanos para superação dos problemas contando com o apoio e admiração de todos. O melhor termo é obstinado, pois mesmo com limitação de forças sendo cobrado, desmotivado, emocionalmente esgotado, e muitas vezes punido segue inflexível no cumprimento de suas missões.
Nilton Arruda (Na foto acima)
Presidente do SINPOL/RN
Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 14:50h

Projeto concede anistia a policiais grevistas de Ceará, Espírito Santo e Minas Gerais

Chegou ao Senado o projeto que concede anistia aos policiais militares do Espírito Santo e do Ceará que participaram de movimentos grevistas entre 1º de janeiro de 2011 e 7 de maio de 2018 (PL 395/2019). A anistia também alcança militares, policiais civis e agentes penitenciários de Minas Gerais que participaram de movimentos no mesmo período.

O projeto é de autoria do ex-deputado Alberto Fraga (DEM-DF), que é militar da reserva. O ex-deputado registra que a Constituição elenca “vedações a estes profissionais, de modo que possuem menos de um terço dos direitos trabalhistas, e dentre as vedações se incluem a sindicalização e a greve”. Contudo, aponta o autor, deve sempre existir uma contraprestação do Estado, que possui “encargos para com estes profissionais, de modo a não deixar suas condições de trabalho análogas à de escravo”.

Para Fraga, antes de os militares infringirem a lei, foi o poder público quem o fez. Nas greves, os militares reclamavam de atrasos no pagamento, falta de aumento no salário e más condições de trabalho. Assim, segundo explica o ex-deputado, seria justa a anistia proposta pelo projeto, que também seria um reconhecimento ao trabalho de grande responsabilidade dos policiais.

A anistia, no entanto, não atinge os crimes próprios de militar, previstos no Código Penal Militar (DL 1.001/1969), e os crimes comuns previstos no Código Penal (DL 2.848/1940). Por Agência Senado.

JAIR SAMPAIO

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 14:42h

Jardim de Piranhas registra chuva de 124 milímetros

A Região Seridó do Rio Grande do Norte teve ótima pluviometria durante toda a tarde e parte da noite nesta terça feira, 05 de fevereiro. Também houve registro de chuva em outras região do Estado.

Veja o registro das chuvas em alguns municípios

124 Jardim de Piranhas;
85 São Fernando, Sítio Saboeiro;
68 Caraúbas, Comunidade Mariana;
60 Severiano Melo, Santo Antônio;
50 São José do Seridó;
43 Campo Redondo;
47 Serra Negra, sitio logradouro;
40 Parelhas;
40 Paraú;
32 São José do Seridó, Sítio Bonita (Pai Velho);
28 Caicó, Barra da Espingarda;
25 Pau dos Ferros;
15 Ipueira;
09 Rodolfo Fernandes;

OBS: Em Serra Negra do Norte choveu 33mm. O acumulado do ano chega a 250 milímetros. Barraginha da Chácara Figueiredo atinge a lâmina de sangria, também em Serra Negra do Norte.

JAIR SAMPAIO

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 14:39h

Acusada de matar o pai envenenado em hospital foi liberada pela justiça

A mulher acusada de matar o próprio pai envenenado dentro de uma UTI em Natal foi liberada por conta de uma decisão do juiz José Armando Ponte Dias Júnior, da 3ª Vara Criminal da capital potiguar. Fernanda Danyele de Oliveira Rocha, de 27 anos, estava presa preventivamente no Centro de Detenção Provisória Feminino de Emaús, Região Metropolitana de Natal. Ela é acusada de aplicar uma injeção contendo carrapaticida no pai, que estava internado na unidade de terapia intensiva do Hospital Giselda Trigueiro.
Em depoimento, a mulher alegou ter administrado o veneno na intenção de aliviar o sofrimento do pai, José Evangelista da Rocha, 60 anos, que estava internado em estado grave por conta de complicações provocada pelo vírus HIV. No despacho que determinou a soltura de Fernanda, o magistrado alega que a acusada tem um filho menor de idade e poderia responder pelo processo em liberdade.
Leia também:
Filha mata o pai com injeção de veneno dentro da UTI de hospital
A decisão, publicada na segunda-feira (4), sustenta ainda que a ré não tem histórico criminal e provou ter residência fixa. Ela estava presa desde o dia 16 de janeiro, um dia após a morte do pai. A família de Fernanda preferiu não comentar o caso.
Comportamento estranho da filha chamou a atenção
A morte de José Evangelista foi provocada pela aplicação de um veneno para carrapatos no dia 15 de janeiro. Após injetar a substância no pai, Fernanda chamou os médicos avisando que ele estava passando mal, mas os profissionais da UTI estranharam o comportamento dela, que começou a lavar as mãos de forma incessante e mexer na lixeira do setor. Além disso, um cheiro forte levantou a suspeita de que a vítima tivesse sido envenenada. O frasco do veneno e seringas usadas na administração foram encontradas no lixo da UTI pouco depois.
Fernanda foi autuada por homicídio doloso (quando há intenção de matar). De acordo com o delegado da Divisão de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), Roberto Andrade, a mulher confessou o crime e decidiu agir dessa forma para “poupar” a vida do pai.
OP9
Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 14:35h

Mossoró registra o 16º homicídio de 2019

Um homem identificado como Francisco Renato Nogueira da Silva, 31 anos de idade foi perseguido por dois homens em uma moto não identificada, e morto em via pública por tiros de arma de fogo.
O crime foi registrado pelo Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp),na manhã desta quarta feira 06 fevereiro 2019.
A vítima se encontrava na rua de sua residência, no cruzamento da Antônio Delmiro, com Capitão Luiz Firmino, e ao perceber a presença dos algozes, correu até a Rua Padre Freire, rua da UPA do Belo Horizonte, na tentativa de escapar dos tiros. Ele foi alcançado e morto.
Uma equipe ALFA do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU),ainda foi acionada, mas nada pôde fazer para salvar a vida do jovem.
A polícia militar foi acionada e isolou o local. Segundo a PM, Renato já havia sofrido outra tentativa em outra ocasião.
No dia 25 de julho de 2015,ele foi preso juntamente com outro indivíduo após tomar de assalto uma motocicleta no Centro de Mossoró.(RELEMBRE)
No dia 11 de junho de 2018, “Renato” foi preso juntamente com outro indivíduo após tomar de assalto um telefone celular no Centro de Mossoró.(RELEMBRE)
Mossoró contabiliza 16 crimes de homicídio em 2019.Mais detalhes Já.
PASSANDO NA HORA

 

Postado em 6 de fevereiro de 2019 - 14:32h

Força Tática prende dupla após arrastão no Abolição III em Mossoró e recupera objetos e carro roubados

Policiais da Força Tática do 2º BPM, prenderam na madrugada desta terça feira, 05 de fevereiro de 2019, dois homens, suspeitos de terem praticado um assalto nas proximidades do antigo Clube da Cosern, ás margens da BR 304 no Bairro Abolição III em Mossoró, na noite de segunda feira (4).

Durante a ação criminosa, de acordo com informações da PM, foram levados pertences das vítimas, além de um carro tipo Fiat Punto de cor cinza com placas NNJ-3452. Segundo relatos das vítimas eram três assaltantes armados e a partir das informações repassadas pelo CIOSP, a equipe da FT passou a realizar diligencias e conseguiu localizar o veículo minutos após o roubo parado no estacionamento do Hospital Regional Tarcisio Maia.

Para tentar chegar aos suspeitos, que possivelmente voltariam para pegar o carro, os policiais da Força Tática com apoio do Serviço de Inteligência da PM montaram uma campana e por volta das 00h10min de hoje, observaram um veículo tipo Celta de cor branca, com placas OWC 9692, se aproximando do Punto e dois ocupantes desceram e foram em direção ao veículo roubado.

Os policiais fizeram um cerco e deram voz de prisão, os susspeitos tentaram fugir, mas acabaram sendo presos e conduzidos a Delegacia de Plantão, juntamente com os dois carros.

Na delegacia os dois foram identificados como, Francisco Anderson do Nascimento Moura e Wesley Rodrigo de Almeida Costa, 19 anos, Eles foram reconhecidos por uma vítima como sendo os responsáveis pelo roubo. A dupla foi autuada em flagrante pelo delegado Rafael do Monte Alves, nos crimes de roubo majorado (art. 157 do CPB) e depois dos procedimentos encaminhada ao sistema prisional onde ficará a disposição da justiça.

FIM DA LINHA

Postado em 5 de fevereiro de 2019 - 19:58h